Ações da Abendi voltadas a estimular o mercado de trabalho


Desde os últimos meses, a Abendi vem intensificando as atividades de apoio aos profissionais certificados nas resoluções dos problemas que prejudicam a categoria e, inclusive, impactando diretamente a Abendi. Entre as metas, destaca-se a criação de uma tabela salarial, já que, em função do caráter da associação, não é possível estabelecer um piso salarial. A seguir, confira as ações priorizadas:

– Foram mantidos inalterados os valores da manutenção;

– Oferecido o parcelamento em 12 vezes, via cartão de crédito, de todos os produtos de certificação;

Está em estudo a possível redução dos valores de produtos de certificação, em função de uma reanálise dos nossos processos;

– A comprovaçao da atividade de exercício profissional pode ser feita nos CEQs SP e RJ, por meio da inspeção de corpos de prova, sem custo para o profissional;

– A Abendi segue, em seu sistema, uma norma internacional: a ISO 9712. Além disso, com base nessa norma, o Inmetro acredita a Abendi como OPC (Organismo de Certificação de Pessoas). A 9712 exige a manutenção e a recertificação a cada cinco e dez anos, respectivamente;

– Foram eleitos representantes regionais dos profissionais certificados;

– Estão sendo feitas várias ações para a exigência de certificação de profissionais em outros setores industriais, como Metroferroviário, Eólico, e Papel e Celulose;

– Promovidas reuniões com o INMETRO e a ANP para discutir exigências de certificação de profissionais para empresas estrangeiras que investirem no Brasil. A Abendi será posicionada sobre as conquistas nesse sentido;

– Realizados encontros com operadoras que já estão trabalhando no país, como Shell, Statoll, Chevron, entre outras; para verificar se estão contratando profissionais certificados no Brasil, como foi acordado;

– Encontros periódicos com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para discutir a exigência de profissionais certificados nas normas regulamentadoras;

– Definidas alternativas para a manutenção da qualificação de profissionais de inspeção de fabricação e testes por pontos;

– Estabelecendo contatos com o IBP para discutir a fiscalização, por parte do Profissional Habilitado (PH), em relação à exigência de profissionais certificados nas indústrias, como determina a norma regulamentadora NR-13;

– Concessão de bolsas de Certificação e Treinamento para profissionais desempregados e que, comprovadamente, estão em situação de risco;

– Promovidos encontros regionais com os profissionais em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia;

Ações para registrar a profissão de END no Cadastro Brasileiro de Ocupações – CBO. Já aconteceram dois encontros no CBO em Brasília;

– Formação de uma Comissão com as demais Certificadoras (Abraco, Abraman, Ibracon, FBTS, Senai e Abendi) para a discussão e a busca de soluções para os problemas comuns. O encontro resultou numa agenda de responsabilidades para cada instituição, conforme divulgado anteriormente.

 

Lembrando que a Abendi está aberta a sugestões. Os comentários podem ser enviados por email: abendi@abendi.org.br.